A – Estão previstas altas temperaturas entre os meses de setembro e dezembro, quais recomendações em relação ao uso do ar-condicionado ?

O recomendado para uso de sistema de ar condicionado é a diluição, redução da concentração do vírus pela renovação com ar externo e o uso de filtros no ar insuflado.

No caso dos equipamentos do tipo minisplit Highwall, não existe a possibilidade de renovação do ar através do equipamento, bem como o filtro de tela é insuficiente como filtragem em termos de qualidade do ar a opção passa a ser abrir a janela. Se possível estude a possibilidade de instalar uma caixa de ventilação com filtro classe de filtragem M5 (mínimo) com uma vazão de 27 m3/h.pessoa

Recomendo se o calor for muito intenso, ligar o aparelho na função de ar condicionado com a janela parcialmente aberta, para que a circulação de ar externo faça a diluição da concentração e o aparelho de ar condicionado resfrie um pouco o ambiente. A abertura da janela depende do vento se for somente uma brisa é mais seguro a janela com o vidro aberto metade, se houver vento (velocidade maior que 0,5 m/s), por exemplo carrega uma folha de papel ou folhas depositadas no chão, reduza a abertura a 10 cm da janela.

Consulte a RE-09 de 2003  da ANVISA, ela recomenda uma vazão de ar de 7,5 L/(s.pessoa) (27 m3/(h.pessoa)).

Consulte a Renabrava 09 e 10 da ABRAVA – acesse

 

B – UPA Unidade de pronto atendimento  deve ligar o ar-condicionado? estão atendendo pacientes com COVID 19

Recomendo a consulta a norma ABNT NBR 7256 – Tratamento de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde (EAS) – Requisitos para projeto e execução das instalações – Esta Norma estabelece os requisitos mínimos para projeto e execução de instalações de tratamento de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde (EAS).

Consulte a RE-09 de 2003  da ANVISA, ela recomenda uma vazão de ar de 7,5 L/(s.pessoa) (27 m3/(h.pessoa)).

Consulte a Renabrava 09 e 10 da ABRAVA – acesse

 

C  Visto que estamos entrando em Setembro e o calor e forte, podemos usar apenas o modo refrigeração do ar-condicionado?  Se sim,  quais as recomendações ?

Toda e qualquer alteração nos procedimentos e na frequência das atividades de higienização deve ser feita por profissional habilitado, que a partir das condições locais irá decidir os procedimentos e periodicidade.

A regra fundamental é a renovação do ar para a diluição dos contaminantes, inclusive dos virus, bactérias etc, com a renovação de ar garantida, o ambiente poderá ser usado com o ar condicionado em operação, veja a RENABRAVA 09 2020 RENOVAÇÃO DE AR EM SISTEMAS DE AVAC-R PARA REDUZIR O RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE PESSOAS COM O VÍRUS SARS-CoV-2

Veja o Protocolos para uso dos equipamentos e sistemas de Ar Condicionado pós-quarentena.

4 – Normas e documentos legais para consulta.

Com relação a periodicidade de higienização de sistemas de condicionamento de ar recomendo a consulta aos seguintes documentos:

4.1 – Normas ABNT

4.1.1 – ABNT NBR 7256:2005 – Tratamento de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde (EAS) – Requisitos para projeto e execução das instalações – Esta Norma estabelece os requisitos mínimos para projeto e execução de instalações de tratamento de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde (EAS)

4.1.2 – ABNT NBR 13971:2014 – Sistemas de refrigeração, condicionamento de ar, ventilação e aquecimento — Manutenção programada – Esta Norma estabelece orientações básicas para as atividades e serviços necessários na manutenção de conjuntos e componentes, em sistemas e equipamentosde refrigeração, condicionamento de ar, ventilação e aquecimento.

4.1.3 – ABNT NBR 14679:2012 Sistemas de condicionamento de ar e ventilação — Execução de serviços de higienização – Esta Norma estabelece os procedimentos e diretrizes mínimas para execução dos serviços de higienização corretiva de sistemas de tratamento e distribuição de ar caracterizados como contaminados por agentes microbiológicos, físicos ou químicos.

4.1.4 – ABNT NBR 15848:2010 – Sistemas de ar condicionado e ventilação – Procedimentos e requisitos relativos às atividades de construção, reformas, operação e manutenção das instalações que afetam a qualidade do ar interior (QAI)  – Esta Norma estipula procedimentos e requisitos relativos às atividades de operação e manutenção, para melhoria dos padrões higiênicos das instalações de ar-condicionado e ventilação, contribuindo desta forma para a qualidade do ar (QAI).

4.1.5 – ABNT NBR 16401-3:2008 – Instalações de ar-condicionado – Sistemas centrais e unitários
Parte 3: Qualidade do ar interior – Esta parte da ABNT NBR 16401 especifica os parâmetros básicos e os requisitos mínimos para sistemas de ar-condicionado, visando à obtenção de qualidade aceitável de ar interior para conforto.

4.2 – Documentos legais.

4.2.1 – Portaria do Ministério da Saúde nº 3523 de 28 de agosto de 1998 – Regulamento Técnico contendo medidas básicas referentes aos procedimentos de verificação visual do estado de limpeza, remoção de sujidades por métodos físicos e manutenção do estado de integridade e eficiência de todos os componentes dos sistemas de climatização, para garantir a Qualidade do Ar de Interiores e prevenção de riscos à saúde dos ocupantes de ambientes climatizados.

4.2.2 – RDC 50 da ANVISA de 21 de fevereiro de 2002 – Regulamento Técnico destinado ao planejamento, programação, elaboração, avaliação e aprovação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde, a ser observado em todo território nacional, na área pública e privada.

4.2.3 – Resolução da ANVISA nº9 de 16 de janeiro de 2003 – Padrões Referenciais de Qualidade do Ar Interior em Ambientes Climatizados Artificialmente de Uso Público e Coletivo.

D- Posso usar o condicionador do tipo split em salas de reunião apenas com abertura por porta (sem sistema de renovação de ar)? Em grandes ambientes com ar do tipo Split com portas e janelas, porém, sem sistema de renovação de ar artificial, pode-se manter o ar refrigerando com portas e janelas fechadas?

É obrigatório a renovação de ar em qualquer ambiente que seja usado por pessoas, principalmente se há o risco de uma pessoa contaminada no ambiente. É proibido a permanência de pessoas em ambientes sem a renovação de ar seja natural ou mecânica. O efeito

Apresento a seguir um detalhamento maior da necessidade da renovação de ar.

As instalações de condicionamento de ar necessitam sempre de renovação de ar para o tipo de processo, pessoas, área de piso ou volume do ambiente, bem como a filtragem do ar com no mínimo Classe G4 (NBR 16401 parte 3)

É fundamental a diluição dos contaminantes gerados internamente sejam eles gases, particulas menor que 10 micrometro e bioaressois. Este fato é independente do tipo de equipamento empregado, como um Highwall, cuja característica é a de recircular o ar interno para resfriar e desumidificar, o filtro que possui (tela de plástico) é para proteção do equipamento, é insuficiente para proteger as pessoas.

Para uma resposta correta especificando o filtro e a vazão de ar externo é necessário conhecer a aplicação: residencial, comércio, escritório.

Não recomendo o uso de unidades minisplit, com filtro de tela de plástico e sem renovação de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde.

As normas Brasileiras e documentos legais exigem a renovação bem como a filtragem do ar.

ABNT NBR 16655-1:2018

Instalação de sistemas residenciais de ar-condicionado – Split e compacto Parte 1: Projeto e instalação: Esta Parte da ABNT NBR 16655 descreve os requisitos mínimos do projeto, fabricação e instalação dos suportes de fixação das unidades externas em qualquer aplicação de unidades compactas e divididas com capacidade de até 18 kW (60 000 BTU/h), e descreve os procedimentos para assegurar que a instalação, o desempenho, a operação e a confiabilidade satisfaçam o usuário final.

Filtragem e renovação de ar

Recomenda-se, para instalações residenciais, a renovação de ar em função da área dos ambientes internos, tais como, salas e quartos, quando do uso de ar-condicionado.

A Tabela A.1 apresenta simulações com dados extraídos da ABNT NBR

16401-3 para quarto e sala de estar. Os valores utilizados no cálculo consideram um valor por pessoa somado a um valor por área útil ocupada.

Como referência, calcula-se o valor combinado de pessoas e a área, dividindo este valor pela área útil ocupada, obtendo-se o valor recomendado de renovação de ar que é de no mínimo 1 L/(s.m2).

A característica para ventilação de uma residência é que a renovação de ar depende da área útil ocupada e não do número de pessoas, conforme Equação 1 e Tabela A.1.

 

ABNT NBR 16401-3:2008

Instalações de ar-condicionado – Sistemas centrais e unitários Parte 3: Qualidade do ar interior Esta parte da ABNT NBR 16401 especifica os parâmetros básicos e os requisitos mínimos para sistemas de ar-condicionado não residencial, visando à obtenção de qualidade aceitável de ar interior para conforto.

Calcula em função do número de pessoas e da área de piso.

 

Resolução – RE nº 9, de 16 de janeiro de 2003 – ANVISA

3.4 – a Taxa de Renovação do Ar adequada de ambientes climatizados será, no mínimo, de 27 m3/hora/pessoa, exceto no caso específico de ambientes com alta rotatividade de pessoas. Nestes casos a Taxa de Renovação do Ar mínima será de 17 m3 /hora/pessoa, não sendo admitido em qualquer situação que os ambientes possuam uma concentração de CO2, maior ou igual a estabelecida em IV-2.1, desta Orientação Técnica

3.5 – a utilização de filtros de classe G1 é obrigatória na captação de ar exterior. O Grau de Pureza do Ar nos ambientes climatizados será obtido utilizando-se, no mínimo, filtros de classe G-3 nos condicionadores de sistemas centrais, minimizando o acúmulo de sujidades nos dutos, assim como reduzindo os níveis de material particulado no ar insuflado.

 

1- Qual a influência do Ar Condicionado frente à atual pandemia de Coronavírus?

Existem várias formas de contaminação por vírus, e uma delas é através do ar, por meio de partículas sólidas e gotículas suspensas. Assim, a opinião da maioria dos profissionais especializados é que, se os equipamentos estiverem em boas condições de manutenção, com boa limpeza, filtros limpos e adequados, e a renovação do ar estiver sendo realizada conforme exigências legais e normativas, então o sistema de climatização poderá auxiliar a combater o surto de Coronavírus e outras moléstias transmissíveis pelo ar, justamente removendo partículas em suspensão.

 

2- Quais as principais medidas devem ser tomadas para a limpeza e uso do ar condicionado durante a pandemia?

Preliminarmente, podemos dizer que o cumprimento rigoroso de todas as atividades do PMOC será fundamental para manter os ambientes climatizados dentro de seus padrões exigidos pelas Autoridades Sanitárias.

Em especial, as principais medidas são diretamente relacionadas com a limpeza e asseio de todos os componentes dos sistemas de climatização.

Uma revisão geral, com lavagem dos componentes pode ser muito apropriada, a fim de remover sujidades e assegurar a higienização adequada. Os componentes são:

– Serpentinas;

– Bandejas de condensação, incluindo sistema de drenagem;

– Ventiladores;

– Gabinetes;

– Salas de máquinas;

– Substituição dos filtros de ar;

 

Adicionalmente:

– Aplicação de produtos químicos adequados, para a devida sanitização de serpentinas e bandejas;

– Avaliação do estado de limpeza e conservação de dutos e tomadas de ar externo, realizando a limpeza se necessária;

 

3- Quais os princípios básicos para garantia da qualidade do ar interno em ambientes climatizados artificialmente dentro dos parâmetros determinados pelos órgãos competentes?

Quatro itens são determinantes para que se garanta a qualidade do ar a ser respirado:

Vale ressaltar que o Ar Condicionado não tem a função de VACINA, tampouco de REMÉDIO, portanto, os sistemas de climatização não são a solução final para eliminar contaminações de quaisquer moléstias.

Mas observando-se as condições abaixo, pode-se diminuir as chances de contaminação, apesar de não existirem estudos ou evidências científicas de sua eficácia.

 

Renovação do Ar – ação que garante a ventilação de ar exterior para os ambientes internos, com a devida filtragem que visa diluir a concentração de poluentes nos ambientes internos, desta forma não permitindo excesso de concentração de impurezas, fator que pode provocar agravos à saúde dos ocupantes;

 

Filtragem – ação que tem por objetivo reter partículas e micro gotículas, que podem carregar poluentes ou microrganismos como o COVID-19;

 

Controle de temperatura e umidade – fatores de necessidade física que contribuem com a saúde das pessoas, assim como, também podem inibir a proliferação de determinados organismos como o COVID 19;

 

Monitoramento da qualidade do ar –   manter o nível de CO2 (dióxido de carbono) dentro dos índices determinados para ambientes é uma das formas de garantia da qualidade do ar respirados em ambientes.

 

4- Quais Leis, resoluções e decretos podem ser relacionadas a inibição da proliferação do coronavírus?

  • Lei 13.589 – PMOC
  • Portaria 3523/98
  • RE-09/2003 – ANVISA
  • Norma ABNT 16401

 

5- Qual a recomendação de uso desses aparelhos durante o período da pandemia?

Recomenda-se usar o equipamento desde que assegurada a correta renovação de ar dos ambientes climatizados, no mínimo conforme previsto na Resolução RE-09 da ANVISA.

É importante a avaliação da qualidade do ar, por laboratório independente, como forma de permitir o controle e tomada de decisões do Responsável Técnico, para garantir a boa qualidade do ar aos ocupantes dos ambientes, bem como dar segurança jurídica ao Proprietário ou Locatário do imóvel, bem como seus prepostos.

 

 6-  Manter janelas abertas ou desligar o ar-condicionado, ajuda no combate ao surto?

Ao mesmo tempo em que pode haver maior renovação de ar próxima às janelas abertas, esta prática irá permitir que outros poluentes também entrem nestes ambientes, sobrecarregando os filtros e outros componentes do sistema de climatização caso estejam ligados. Para ambientes maiores, as áreas mais afastadas das janelas não terão a mesma renovação.

 

 7- O aparelho de ar-condicionado sem manutenção pode ser um criadouro de vírus?

Uma das formas de transmissão do SARS-Cov-2, é pelo ar. Dentro desta perspectiva, notamos a importância de manter os ambientes perfeitamente higienizados, com as demais medidas exigidas pelas Autoridades Sanitárias. Manter o sistema de ar condicionado com sua máxima renovação de ar irá diluir os poluentes, desta forma atuando como prevenção para diversas moléstias, inclusive as virais. Filtros sempre limpos e em bom estado, ajudam a reter partículas em suspensão, desta forma auxiliando a remover contaminantes. Entretanto, o sistema de climatização não pode ser encarado como medida profilática, apesar de não existir até o momento, estudos científicos que comprovem seu papel em cenário de pandemia viral.

 

8- Quais os tipos de manutenção/higienização previstos para aparelhos de ares-condicionados residenciais ou comercial leve como os mini-splits?

São 2 tipos:

  1. A manutenção simples, para casas e apartamentos, que consiste na lavagem do filtro, de forma simples, sendo possível ser retirado do equipamento e lavado com água e sabão, dentro da periodicidade indicada no Manual do Fabricante. Recomenda-se o uso de luvas, óculos protetores e demais EPIs para cuidado no contato com filtros e demais componentes, que podem conter fungos ou outros micro organismos.

 

  1. Para a manutenção e limpeza de equipamento instalado em edificações de uso público e coletivo, existem determinações legais quanto à periodicidade de limpeza prevista em Lei (Resolução RE-09) e que deve ser realizada somente por profissional habilitado. Estas atividades visam manter os sistemas em boas condições de limpeza, otimizando o uso de energia, além de evitar disseminação de poluentes nos ambientes climatizados, contribuindo desta forma, para a melhor qualidade do ar interior e privilegiando a saúde e bem estar da população.

 

9- Em tempos de coronavírus, no dia a dia dos escritórios alguma mudança do hábito de uso do ar condicionado deve ser alterada?

Nossa primeira e principal recomendação, é sempre seguir as orientações e determinações das Autoridades Sanitárias.

A observação rigorosa das atividades previstas no PMOC – Plano de Manutenção, Operação e Controle, irá também contribuir de forma decisiva para a boa qualidade do ar de interiores, e assim também contribuir para diminuir as chances de disseminação de contaminação por micro organismos.

 

10- Quais os perigos na contratação de empresas não qualificadas para a realização da manutenção de sistemas artificiais de climatização?

Ao se contratar profissionais não habilitados ou capacitados, corre-se o risco de receber serviços que não estejam de acordo com as normas técnicas, e pior, não ter a quem recorrer.

Devemos ter a segurança de contratar empresas e profissionais que ofereçam garantias legais, a fim de que também se obtenha o devido amparo legal pela exigência do PMOC frente aos órgãos da Vigilância Sanitária.

 

11- Qual a rotina adequada para um ambiente que conta com o uso do sistema de climatização artificial?

As atividades previstas para manutenção de sistemas de climatização têm por base a norma ABNT NBR 13.971, com suas periodicidades definidas pelo Responsável Técnico Habilitado, a menos de alguns componentes que já tem suas periodicidades definidas na Resolução RE-09 da ANVISA.

 

12 – Algum cuidado especial para o ambiente que teve a circulação de uma pessoa infectada com o COVID 19?

Para os ambientes que possam ter suspeita de contaminação, devem-se seguir as orientações das Autoridades Sanitárias.

A completa higienização do ambiente e equipamentos é altamente recomendável, além de desinfecção com produtos químicos adequados.

 

13- A falta de manutenção em geral pode contribuir com a proliferação do vírus?

Sem dúvida, a falta de manutenção em sistemas de climatização pode oferecer riscos à saúde das pessoas, não somente pelo COVID 19, mas também por contaminações de outros agentes, tais como fungos e bactérias, além de excesso de pós e descontrole dos sistemas. A boa manutenção assegura que os sistemas de climatização operem de forma harmoniosa, produzindo ambientes confortáveis e proporcionando a preservação da saúde e bem estar das pessoas.

 

14- O que o PMOC leva em consideração no cuidado da saúde das pessoas?

O PMOC tem o foco total na SAÚDE E BEM ESTAR das pessoas e usuários de ambientes climatizados.

A adequada observação em todas as suas fases, proporciona ambientes equilibrados para as diversas condições, tais como temperaturas amenas, com umidade controlada, livre de pós e contaminações por microrganismos indesejados. As atividades do PMOC devem ser executadas somente por profissionais devidamente habilitados e capacitados, de forma a garantir sua eficácia.

 

15 – No mercado nacional existe filtros para sistemas de ar condicionado com proteção Química, Biológica, Radiológica, Nuclear. Heating Ventilation Air Conditioning, HVAC CBRNe.

Confirmo que existem os fabricantes de filtros, lavadores de ar, EPIs sua linha de produtos, mas a correta escolha para o projeto exige a informação qual é o risco, material para as aplicações listadas:

a) proteção química – lavadores de gases – Lavadores de Gases ou Scrubber são equipamentos para o controle da poluição atmosférica que podem ser utilizados na remoção de particulados ou gases de exaustão em praticamente todos os tipos de plantas industriais. Utilizam líquidos para lavar, resfriar, ou reagir com as substâncias poluentes contidas nos gases de processos a serem liberados para a atmosfera, reciclados, ou em gases combustíveis utilizados em outras partes do processo. O termo Scrubber também é utilizado para descrever sistemas que injetam reagentes secos ou lodo nos gases de exaustão para fazerem o abatimento de gases ácidos. É fundamental definir qual é o contaminante a ser neutralizado.

Exemplo acessar a conexão: http://www.capmetal.com.br/novo/produtos.php?id=4

http://www.engenhariaearquitetura.com.br/2018/01/funcionamento-do-sistema-de-ventilacao-em-instalacoes-nucleares

b) proteção biológica – filtragem proteção biológica – Antimicrobiana Exemplo Trox Spor-Ax é um eficaz antimicrobiano, altamente efetivo que inibe o crescimento e elimina agentes microbianos, e é combinado com o adesivo que mantém as fibras de poliéster juntas umas as outras. Por causa de seu amplo espectro antimicrobiano, somente uma pequena quantidade é requerida como componente de adesivo.Como o Spor-Ax é incorporado no adesivo, ele se torna um componente permanente do filtro, não migra, não sai com a umidade, é ativo todo tempo, é estável a altas temperaturas, e não libera gases para o fluxo de ar durante o uso normal. Registrado no EPA n° 464-673-68603. Deve ser informado qual é o microorganismo a ser neutralizado.

Exemplo acessar a conexão: https://www.troxbrasil.com.br/downloads/53264e64aa905607/c7_002_filter.pdf?type=product_info

c) proteção radiológica – é uma proteção no local de trabalho contra o uso de radiações ionizantes, não é uma proteção no sistema de ar condicionado

d) proteção nuclear – Em um reator nuclear os sistemas de ventilação possuem, além das funções convencionais, a necessidade de garantir a segurança do reator por meio do controle de contaminantes radioativos, protegendo os operadores, a população e o meio ambiente. Para isso, o sistema deve atender a diversos requisitos técnicos e ambientais bastante rigorosos.
Basicamente, os sistemas de ventilação são compostos por ventiladores, dutos, dampers, dispositivos de monitoramento e amostragem de ar, filtros grossos, filtros HEPA, filtros de carvão ativado, filtros de areia, absorvedores de iodo, lavadores de ar, condensadores, aquecedores, sistemas de retirada de calor, instrumentação e controle, dispositivos de medição de radiação, entre outros.

Exemplo acessar a conexão: https://www.aafintl.com/pt-br/power-and-industrial/browse-products/nuclear/nuclear-filters

As soluções para proteção contra emergências nucleares, biológicas e químicas não apenas limitam-se ao uniforme ou EPI (Equipamentos de Proteção Industrial), mas proteção pessoal como coletiva e em sistemas de descontaminação associando a cada um deles, a formação, a manutenção do produto e outros serviços inovadores e integrados, que possam atender às necessidades do cliente. Eles têm aplicação no âmbito industrial, militar, hospitalar e qualquer outro cenário de emergência.

Exemplo acessar a conexão http://www.iturri.com/pt/solucoes/epi-e-protecao-coletiva/protecao-nbq-nuclear-biologica-quimica

Deve ser cuidadosamente analisado cada caso.

16 – Existe alguma nova recomendação sobre o tratamento PMOC e de RENOVAÇÃO DE AR de UTI´s e Enfermarias de internação de pacientes com COVID-19 ou mesmo clínicas? Fica mantida a tabela atual de renovação de ser para essas áreas ? 

A recomendação para instalações de ar condicionado no caso de alterações imediatas e de reduzido custo (ensaios, ajuste e balanceamento) sem a alteração física da instalação e a maior diluição da contaminação pelo vírus, bactéria, protozoário, fungos e etc. é através da diluição do contaminante, pela renovação com ar externo isento do contaminante em questão.

Lembrar que os ambientes para pacientes com transmissão pelo ar (tuberculose dentre outros) a pressão do ambiente é negativa (-5 Pa) em relação aos ambientes vizinhos, exceto o banheiro que é com pressão negativa (-10 Pa)em relação ao quarto. Ele não pode contaminar os outros ambientes. Neste caso a exaustão , se possível, deve ser aumentada.

A posição das principais associações para ambientes com Ar Condicionado, como a ASHRAE, REHVA e ABRAVA foi a de diluir a contaminação do ar interno, seja de instalações comerciais ou residenciais pelo aumento da quantidade de ar externo, diluição.

A movimentação de bactérias, virus e protozoários, enfim partículas menores que 2,5 micro metro podem ser transportadas pela movimentação do ar, seja natural (janela aberta) seja mecânica (ventiladores), este é o conceito.

O ar condicionado possui um sistema de distribuição de ar, por ventilação mecânica, podendo transportar os micróbios do ambiente para a exaustão (remoção do ambiente), bem como o ar de retorno contaminado poderá ser misturado ao ar externo e insuflado no ambiente, com quantidade menor de contaminação devido ao ar externo.

O projeto do ar condicionado com ar de renovação a concentração da contaminação (vírus) será reduzida e mantida num nível de menor risco de contrair a doença. O sistema  com ar externo irá proteger as pessoas, apesar de recircular a contaminação mais diluída.

A recomendação de todas as associações de ar condicionado e de refrigeração é a de manter o ar condicionado funcionando e aumentar dentro do possível a renovação de ar, chegando a manter o ar condicionado funcionando, mas com as” janelas abertas” ou através de aberturas com registros para aumentar a vazão de ar de renovação.

Sem dúvida a limpeza/higiene dos ambientes é uma obrigação. O uso intenso de substâncias de esterilização envolve o risco de reduzir drasticamente o universo de vírus, bactérias e protozoários, permitindo o crescimento das chamadas “super bactérias, patológicas” que se desenvolvem caso não haja uma certa competição/concentração das não patológicas.

Conclusão: a frequência da limpeza/higiene deve ser verificada por um profissional habilitado em qualidade do ar, especificando com que produto e com qual periodicidade  para fazer as análises necessárias, como do equipamento de condicionamento de ar por onde circula o ar a ser insuflado e a drenagem da água de condensação.

Recomendamos a leitura da RENABRAVA 9 – RENOVAÇÃO DE AR EM SISTEMAS DE AVAC-R PARA REDUZIR O RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE PESSOAS COM O VÍRUS SARS-CoV-2 no site da ABRAVA www.abrava.com.br

17 – Devido a pandemia  realmente existe a necessidade de troca de filtro de ar com aumento da capacidade de filtragem do ar de F5 (atualmente utilizado) para o filtro F9 ( norma ABNT 16101)

A recomendação é a de diluir a concentração eventual do vírus por aumento da renovação de ar ou aumento da classe de filtragem conforme a RENABRAVA 9, em anexo. A renovação do ar é o máximo possível (100% de ar externo) e o filtro aumentar a eficiência desde que não haja alteração do quadro de suporte dos filtros e o conjunto de ventilação possa ser ajustado para manter a vazão de ar de projeto.

É importante caracterizar se há realmente um problema, que justifique a troca do filtro M5 (antigo F5) por F9, esta troca não é obrigatória.

1.0 – Redução da Contaminação.

O projeto de um sistema de condicionamento de ar tem por objetivo assegurar condições de qualidade do ar para a saúde das pessoas. Neste caso a preocupação é com o controle da contaminação do ar por partículas orgânicas ou inorgânicas.

O controle dos níveis de partículas no ar pode ser alcançado por um dos quatro métodos:
a) Redução de emissões na fonte

  1. b) Captura de emissões na fonte usando exaustão local, se possível
  2. c) Diluição usando renovação de ar (número de trocas de ar), ventilação geral diluidora, quando a exaustão local não é possível. Considera que o contaminante apresenta uma concentração muito baixa ou inexistente no ar externo;
  3. d) Remoção do particulado pela filtragem e recirculação do ar filtrado (número de movimentações de ar);

2.0 – Classes de filtragem

O virus tem um tamanho em torno de 0,1 micrometro e a eficiência dos filtros médios e finos são verificadas por ensaio com partículas de 0,4 micrometro conforme a tabela a seguir da norma NBR 16101:

 

Grupo

 

Classe

Perda de pressão final

(Pa)

aArrestância média (Am)

%

Eficiência média (Em) para partículas de 0,4 µm

%

b Eficiência mínima

(Emin) para partículas de 0,4 µm

%

Grossos G1 250 50 ≤ Eg<65
G2 250 65 ≤ Eg<80
G3 250 80 ≤ Eg<90
G4 250 90 ≤Eg
Médios M5 450 40 ≤ Ef<60
M6 450 60 ≤ Ef<80
Finos F7 450 80 ≤ Ef<90 ≥35
F8 450 90 ≤ Ef<95 ≥55
F9 450 95 ≤Ef ≥70
a As características da poeira atmosférica variam amplamente em comparação, com as características do pó de carregamento usado nos ensaios. Em razão disto, os resultados dos ensaios não proveem uma base para prever tanto o desempenho operacional quanto a vida útil. A redução da carga estática do meio filtrante ou o desprendimento de partículas ou fibras podem também afetar negativamente a eficiência.

b A eficiência mínima (Emin) para partículas de 0,4 µm é a menor eficiência verificada no decorrer de qualquer uma das etapas do procedimento de ensaio (eficiência inicial do filtro e/ou da amostra do meio filtrante, eficiência do meio filtrante carregado ou descarregado eletrostaticamente).

Recomendamos a leitura da Renabrava 09, encontrada no site da ABRAVA

 

 

 

18 – Se o vírus ficar preso no filtro qual o tempo máximo que o filtro aguenta para ele não passar para o ambiente? Um filtro dura só 15 dias?

Recomendamos a leitura da RENABRAVA 9 – RENOVAÇÃO DE AR EM SISTEMAS DE AVAC-R PARA REDUZIR O RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE PESSOAS COM O VÍRUS SARS-CoV-2 com informações sobre como proceder para reduzir o risco de contaminação com o virus SARS-CoV-2. Encontre no site da ABRAVA www.abrava.com.br

Respondendo a sua consulta informo:

  1. a) Tempo máximo de viabilidade

Existe muita discussão sobre o tempo de vida do virus SARS-CoV-2 não há um consenso final, de qualquer forma o texto encontrado na conexão (link) apresenta o artigo Quanto tempo o vírus que causa a COVID-19 sobrevive em superfícies?

https://www.ufrgs.br/telessauders/posts_coronavirus/quanto-tempo-o-virus-que-causa-o-covid-19-sobrevive-em-superficies/

Quadro 1. Persistência de coronavírus em diferentes superfícies.

Superfície Tempo máximo de viabilidade
Aerossol 3h (meia-vida 1.2 horas)
Plástico Até 72h (meia-vida de 6.8 horas) em estudo que compara SARS-CoV-1 e SARS-CoV-2 (3)/ até 9 dias em revisão com outros coronavírus (1)
Aço inoxidável Até 72h (meia-vida 5.6 horas)
Cobre 4h
Papelão 24h
Alumínio 2-8h
Metal 5 dias
Madeira 4 dias
Papel 5 dias
Vidro 5 dias
Luva (látex) 8h
Avental descartável 2 dias
Cerâmica 5 dias

Fonte: TelessaúdeRS (2020), adaptado de Kampf (2020) e van Doremalen (2020).

Os filtros de ar são feitos com material próximo ao papel, portanto a sobrevivência do virus seria de 5 dias.

Não recomendo o aumento do número de trocas do filtro, conforme a informação da RENABRAVA 9: “Deve-se aumentar a frequência de inspeções de manutenção, verificando a necessidade de substituição de filtros e higienização dos equipamentos”

  1. b) Uma vez que o vírus tenha sido retido no filtro ele permanecerá nesta posição independente do tempo, vindo a perder a sua viabilidade em 5 dias.
  2. c) O filtro deverá ser substituído, nunca lavado, em função da perda de pressão ou de uma análise por um profissional habilitado. O que acumular no filtro permanece retido no filtro
  3. d) Os prazos de substituição dos filtros não deve ser alterado, tem que ser explicada a razão da troca. A Pandemia não é razão suficiente para isto.
  4. e) Devem ser mantidas as inspeções e higienizações das bandejas e drenos da água condensada ar partes internas do equipamento
  5. f) Uso de lâmpadas de luz ultravioleta para a desinfecção é conhecido e deve ser projetado de forma correta, para evitar qua a luz atinja as pessoas, mas somente o fluxo do ar. A melhor posição é dentro do gabinete do equipamento, para limpar o trocador de calor e a bandeja de coleta de água, reduzindo a formação de biofilme. Recomendo a consulta ao 2015 ASHRAE Handbook HVAC Applications Chapter 60 Ultraviolet Air and Surface Treatment.

 

19 – Foi criada alguma lei que obriga os estabelecimentos a fazer manutenção mensal, principalmente no pós-covid 19?

 

A lei que estabelece a obrigatoriedade de elaborar e executar um Plano de Manutenção, Operação e Controle PMOC é a Lei Federal  13589, que não estabelece a periodicidade de manutenção e de higienização e não faz referência à doença COVID 19.

Para maiores informações recomendo consultar o Portal da ABRAVA conforme abaixo

https://abrava.com.br/a-abrava/pmoc-perguntas-e-respostas/

33 – O que diz a lei sobre a periodicidade da limpeza de dutos e ar condicionado central.

Na legislação federal não há prazo definido, devendo a periodicidade ser definida pelo responsável técnico, garantindo que os dutos estejam limpos, conforme determina a Portaria 3523. Algumas cidades do país como Rio de Janeiro, Natal e Santos tem leis municipais determinando a limpeza anual dos dutos.

A periodicidade irá depender das características do uso, do ambiente externo e do ambiente interno, do nível de qualidade do ar necessária ou mesmo caso alguma não conformidade venha a ser identificada

Recomendo a consulta a:

Portaria do Ministério da Saúde nº 3523 de 28 de agosto de 1998 (em anexo) ver o relatório de PMOC no anexo 1

Resolução da ANVISA RE-09 de 16 de janeiro de 2003 ver tabela de periodicidade para os diferentes componentes

ABNT NBR 15848 – 2010 – Sistemas de ar condicionado e ventilação – Procedimentos e requisitos relativos às atividades de construção, reformas, operação e manutenção das instalações que afetam a qualidade do ar interior (QAI).

ABNT NBR 14679 – 2012 – Sistemas de condicionamento de ar e ventilação – Execução de serviços de higienização

 

20 –  Em salas de aula dentro de escolas, é recomendado manter ventiladores de teto e laterais ligados? Nesse contexto, há salas de aula que possuem e outras que não possuem ar condicionado com troca de ar, mas ambas possuem ventiladores de teto e laterais.

Não recomendo o uso de ventiladores/circuladores de ar cuja única função é a de circular o ar para reduzir o desconforto pelo calor, mas como contrapartida mistura o ar contaminado por uma ou mais pessoas para todo o ambiente aumentando o número de pessoas contaminadas. Os processos que podem ser usados são os de diluição ou de filtragem para a redução da concentração do contaminante, por consequência do risco de contrair a doença.

Para qualquer tipo de instalação de ventilação ou de ar condicionado é muito importante a diluição dos contaminantes, que pode ser alcançada por 4 procedimentos:

  1. a) Redução de emissões na fonte, difícil de controlar.
  2. b) Captura de emissões na fonte usando exaustão local, se possível
  3. c) Diluição usando ventilação natural ou mecânica (ar externo), quando a exaustão local não é possível, normalmente simples de ser feito
  4. d) Remoção do particulado pela filtragem e recirculação do ar, normalmente simples de ser feito por recirculação.

O que recomendo é o uso de janelas abertas, uso de ar condicionado com renovação de ar, sistemas de renovação de ar.

Confira o protocolo para uso de ar condicionado AQUI 

 

21- Recebi de um cliente o questionamento quanto a substituição de filtros de seu sistema de ar condicionado, onde ele me solicita a instalação de filtros HEPA baseado “Portaria 605 de 4 de junho de 2020” da Prefeitura de São Paulo onde autoriza a reabertura de revendedoras de veículos e Escritórios de prestação de serviços. Tendo em vista que este meu cliente, bem como outros, estão locados em edifícios que contemplam sistemas de climatização, que não permitem/possibilitam a implantação desta classe de filtragem, solicito orientação da melhor maneira de responder/orientar meu cliente.
https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/desenvolvimento/noticias/?p=298233

R.

Não há a obrigatoriedade de instalação de filtros de ar HEPA High Efficiency Particulate Arrestance seja pela Portaria ou pelas normas da ABNT.

O texto da Portaria 605 de 4 de junho de 2020” SEI 6010.2020.0001663-2 da Prefeitura de São Paulo informa:

“Ar  condicionado  –  Quando  possível,  evitar  o  uso  de  ar  condicionado. Caso seja a única opção de ventilação, instalar e manter filtros e dutos limpos, além de realizar a manutenção e limpeza periódicas do sistema de ar condicionado;”

Acessar a portaria pela conexão:

https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/desenvolvimento/noticias/?p=298233

http://diariooficial.imprensaoficial.com.br/nav_v5/index.asp?c=1&e=20200605&p=1

Apresenta um erro grave, que é de evitar o uso do equipamento de ar condicionado. Informo que se o sistema de ar condicionado foi projetado, instalado, operado e mantido conforme as normas da ABNT, que incluem a informação da obrigatoriedade da filtragem do ar insuflado e da vazão de ar de renovação, que irão reduzir a concentração de partículas em suspensão no ar e uma delas pode ser o vírus SARS-CoV-2.Recomendo a consulta da  RENABRAVA 9 – RENOVAÇÃO DE AR EM SISTEMAS DE AVAC-R PARA REDUZIR O RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE PESSOAS COM O VÍRUS SARS-CoV-2

 

22: A Prefeitura de São Paulo, publicou no “Diário Oficial da Cidade de São Paulo” ano 65 nº 128 de 09/07/2020,foi publicada a “PORTARIA SGM 185, DE 08 DE JULHO DE 2020 – PROCESSO SEI Nº 6010.2020/0001663-2 – PROTOCOLO GERAL DE REABERTURA ”, onde entre tantas orientações e especificações, destaca alguns itens, como deve ser interpretado os tópicos:

 

A- Providenciar, sempre que possível, a manutenção de portas e janelas abertas, privilegiando a ventilação natural e minimizando o manuseio de maçanetas e fechaduras;

R. Aumentar a circulação do ar através de janelas e portas abertas é correto, irá promover a remoção dos particulados em suspensão no ar e a sua remoção para o ambiente interno. Informação baseada em documentos da ASHRAE, REHVA e ABRAVA. Manuseio de maçanetas e fechaduras é um argumento também, mas não tão importante como a diluição da concentração de particulado (virus também)

B-  Todo ambiente que dispuser de ventilação artificial só poderá ser utilizado se seus ductos e equipamentos forem regularmente limpos e esterilizados com os produtos recomendados, a fim de evitar-se a propagação do vírus;  R

A limpeza dos dutos deve ser feita conforme as normas da ABNT NBR 14679:2012  Sistemas de condicionamento de ar e ventilação — Execução de serviços de higienização e a NBR 15848:2010 Sistemas de ar condicionado e ventilação – Procedimentos e requisitos relativos às atividades de construção, reformas, operação e manutenção das instalações que afetam a qualidade do ar interior (QAI). Não há a obrigação de alterar a frequência de limpeza que só será feita com a aprovação de um profissional habilitado. A limpeza é por escovação e aspiração (robô) do material para um coletor (saco) de alta eficiência de filtragem, nunca usar produto líquido.

*C- A frequência de limpeza das tubulações de ventilação artificial deverá ser registrada e disponibilizada em caso de fiscalização da autoridade sanitária;

R. O importante é que os procedimentos de higiene de todo o sistema de condicionamento de ar seja realizados conforme o Plano de Manutenção, Operação e Controle PMOC elaborado e aprovado de um profissional habilitado.

D- Retirar das áreas comuns itens que podem ser compartilhados, tais como revistas, jornais, catálogos, livros, controles remotos, etc; * Intensificar as medidas de limpeza em áreas de maior circulação de pessoas, banheiros, elevadores, refeitórios/copas, corrimãos, maçanetas, puxadores, catracas, bebedouros, demais áreas de uso comum e superfícies de uso coletivo (balcões, botões dos elevadores; mesas de reunião etc.), bem como sistemas de ar-condicionado/ventilação/climatização, com periodicidade semanal;

R. O principal meio de transmissão da CoViD-19 é por vias aéreas, a respiração, a fala, tosse e espirro, o que torna todo e qualquer sistema de distribuição de ar importante como proteção ou contaminação. Os itens apresentados no texto estão relacionados a higiene pessoal, como lavar as mãos, que é um procedimento recomendado a muito tempo para diferentes doenças transmissíveis por contato. A higiene do sistema de ar condicionado deverá ser elaborado e aprovado por profissional habilitado, ele irá confirmar se a programação de higienização deve ser alterada ou não.

 

23-  Todos os aparelhos de ar condicionado, de todas  as marcas e modelos, devem ter um sistema de renovação de ar e filtragem?

R. A instalação de ar condicionado deve ter um equipamento ou um equipamento com caixa de mistura responsável pela aspiração do ar externo e a sua distribuição no ambiente condicionado. Não necessariamente o equipamento tem um sistema de renovação de ar

A instalação deve ter um sistemas de filtragem do ar externo ou do ar insuflado, por exemplo usar uma caixa de ventilação com filtro para o ar externo. Os equipamentos do tipo minisplit: highwall, console piso e teto e o aparelho do tipo janela não possuem filtros, simplesmente uma tela de proteção. Os equipamentos do tipo minisplit: cassette e embutido podem ser especificados e adquiridos com filtros de ar M5 ou superior.

 

24 – Os aparelho modelo Splits não possuem o referido dispositivo, dessa forma estaria descumprindo legislação?

R. Recomendo sempre considerar a instalação como um todo que pode ser composta por caixa de filtragem do ar externo + a refrigeração pelo minisplit. É a instalação que não cumpre a legislação.

 

25 – A lei 13.589, de 04/01/2018, prevalece sobre a NBR 16401?, ou seja, tendo o PMOC em dia, estou seguro com não só com a lei, mas principalmente com a saúde?

R. Sim sempre a lei prevalece sobre a norma, a lei pode aplicar penalidades caso não seja obedecida. A norma é um documento que estabelece parâmetros para um desempenho correto, mas não estabelece penalidades, o risco de não ser obedecida é a falha e pode ser usado em processos como um documento de reconhecida validade.

Recomendo a leitura dos seguintes documentos:

  1. a) Portaria nº 3523 do Ministério da Saúde publicada em 1998;
  2. b) Recomendação ANVISA RE 09 publicada em 2003;
  3. c) lei 13.589, de 04/01/2018,
  4. d) ABNT NBR 16655-1:2018 – Instalação de sistemas residenciais de ar-condicionado – Split e compacto – Parte 1: Projeto e instalação
  5. d) ABNT NBR 14679:2012 – Sistemas de condicionamento de ar e ventilação — Execução de serviços de higienização
  6. e) ABNT NBR 15848:2010 – Sistemas de ar condicionado e ventilação – Procedimentos e requisitos relativos às atividades de construção, reformas, operação e manutenção das instalações que afetam a qualidade do ar interior (QAI)
  7. f) ABNT NBR 16401-3:2008 – Instalações de ar-condicionado – Sistemas centrais e unitários
    Parte 3: Qualidade do ar interior

 

26 – Nos escritórios administrativos onde não tem sistema de renovação de ar e são split’s, podemos deixar portas e janelas abertas?

Como emergência para o momento recomendo abrir e manter aberto portas e janelas.  Recomendo também instalar um sistema de renovação de ar com filtro no mínimo M5 e com uma vazão de 27 m3/(h.pessoa) conforme ANVISA RE-09 de 2003.

É obrigatório em instalações de ar condicionado a renovação e a filtragem do ar para a diluição de contaminantes, sejam residências, escritórios, lojas de comércio, áreas industriais. As normas
ABNT NBR 16401-3:2008 – Instalações de ar-condicionado – Sistemas centrais e unitários – Parte 3: Qualidade do ar interior.
ABNT NBR 7256:2005 – Tratamento de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde (EAS) – Requisitos para projeto e execução das instalações.
ABNT NBR 16655-1:2018 – Instalação de sistemas residenciais de ar-condicionado – Split e compacto – Parte 1: Projeto e instalação.

 

27 – Existe uma dificuldade quanto a renovação  e exaustão em armazéns e de posto de agrotóxicos. Em referência a NBR 16.401-3 11/19, em épocas de pandemia, as  exigências de aplicação de renovação e exaustão nos ambientes comerciais independente do tipo de sistema de ar condicionado, ela já foi homologada? Como faço para ter acesso? Existem normas nacionais e internacionais que destaquem o assunto?

Com relação a norma 16401 parte 3 deve ser adquirida na ABNT www.abntcatalogo.com.br

A recomendação para este período da doença CoViD 19 é basicamente a de diluição da concentração de vírus em suspensão no ar, para reduzir a possibilidade de a contrair.

Alguns dos processos recomendados são:

  1. a) Redução da concentração do virús no ar aspirado pela pessoa através de máscaras;
  2. b) Contenção (filtragem) do vírus contido no ar expirado pela pessoa através de máscaras;
  3. c) Diluição e filtragem da concentração do vírus em suspensão no ar através da diluição com ar de renovação e filtragem do ar insuflado, conforme os valores especificados nas normas da ABNT:

ABNT NBR 16401-3:2008 – Instalações de ar-condicionado – Sistemas centrais e unitários – Parte 3: Qualidade do ar interior

ABNT NBR 16655-1:2018 – Instalação de sistemas residenciais de ar-condicionado – Split e compacto – Parte 1: Projeto e instalação

ABNT NBR 14679:2012 – Sistemas de condicionamento de ar e ventilação — Execução de serviços de higienização;

ABNT NBR 15848:2010 – Sistemas de ar condicionado e ventilação – Procedimentos e requisitos relativos às atividades de construção, reformas, operação e manutenção das instalações que afetam a qualidade do ar interior (QAI)

ABNT NBR 7256:2005 – Tratamento de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde (EAS) – Requisitos para projeto e execução das instalações

Ambientes Industriais recomendo a consulta ao livro Industrial Ventilation A Manual of Recommended Practice elaborado pela American Conference of Governmental Industrial Hygienists ACGIH. Especiaslizado em contaminação de ambientes industriais

e em documentos legais como:

Portaria 3523/GM de 1998

RE 09 ANVISA de 16 de janeiro de 2003

Lei 13.589/2018 – PMOC – torna-se obrigatória a manutenção de sistemas de ar condicionado

e em documentos ABRAVA

RENABRAVA 09 de abril de 2020 – RENOVAÇÃO DE AR EM SISTEMAS DE AVAC-R PARA REDUZIR O RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE PESSOAS COM O VÍRUS SARS-CoV-2

 

28 – Resido numa cidade do interior de Goiás, onde o calor torna-se insuportável na hora de dormir. Tenho ligado o ar condicionado para conciliar o sono. Pergunto: Nessa Pandemia posso continuar com o aparelho ligado?

O recomendado para uso de sistema de ar condicionado é a diluição, redução da concentração do vírus pela renovação com ar externo e o uso de filtros no ar insuflado.

No caso dos equipamentos do tipo minisplit Highwall, não existe a possibilidade de renovação de ar, bem como o filtro de tela é insuficiente como filtragem em termos de qualidade do ar.

No caso de serem sempre as mesmas pessoas, como em uma residência, o risco de contrair a doença é reduzido, contrair de você mesmo? Ou da pessoa que está com você em casa de quarentena. No caso de pelo menos uma pessoa sair para trabalhar todo dia, o risco desta pessoa contrair a doença e levar para os moradores da casa existe e neste caso recomendo o máximo possível da janela (vidro) aberta, veneziana fechada  e não ligue o ar condicionado, pois o aparelho irá misturar a contaminação por todo o quarto.

Recomendo se o calor for muito intenso, usar o aparelho de ar condicionado com a janela parcialmente aberta, para que a circulação de ar externo faça a diluição da concentração e o aparelho de ar condicionado resfrie um pouco o ambiente. A abertura da janela depende do vento se for somente uma brisa é mais seguro a janela com o vidro aberto metade, se houver vento (velocidade maior que 0,5 m/s), por exemplo carrega uma folha de papel ou folhas depositadas no chão, reduza a abertura a 10 cm da janela.

Se possível estude a possibilidade de instalar uma caixa de ventilação com filtro classe de filtragem M5 (mínimo) com uma vazão de 1L/(s.m2).

ABNT NBR 16655 – Instalação de sistemas residenciais de ar-condicionado

– Split e compacto

Parte 1: Projeto e instalação onde no anexo A recomenda uma vazão de ar externo para residencia de 1 L/(s.m2) 1 litro por segundo por m2

ANVISA RE-09 de 2003 recomenda uma vazão de ar de 7,5 L/(s.pessoa) (27  m3/(h.pessoa))

 

29 – Somos um laboratório de bioteclogia, atualmente nossas atividades estão suspensas devido ao COVID-19, porém estamos no programando para um retorno seguro, sendo assim, gostariamos de saber se podem nos ajudar com alguns pontos 

Recomendo neste caso específico consultar à SBCC – Sociedade Brasileira de Controle de Contaminação – E-mail: sbcc@sbcc.com.br

Respostas como ABRAVA

  • Precisa da avaliação por empresa especializada para propor a solução mais aderente a cada ambiente e climatização, temos ar condicionado central e Split.Recomendo a contratação de empresa para fazer exames de contaminação do ar (unidades formadoras de colônias UFC conforme RE-09 de 2003 da ANVISA. O nome de empresas poderá ser obtido por consulta ao SBCC (ver acima) ou com o qualindoor https://abrava.com.br/departamentos-nacionais/dn-qualindoor-qualidade-do-ar-interno/A posição das principais associações para ambientes com Ar Condicionado, como a ASHRAE, REHVA e ABRAVA foi a de diluir a contaminação do ar interno, seja de instalações comerciais ou residenciais pelo aumento da quantidade de ar externo, diluição ou de filtragem do ar (filtro mais eficiente)É importante verificar as tomadas de ar externo, verificando a sua condição de limpeza, filtro de ar (se necessário), confirmando por medição a vazão de ar externo
  • Limpeza com maior frequência dos filtros, teria uma médica, calculo ou racional que poderíamos seguir?
  • A necessidade da troca ou não dos filtros de ar deve ser feita por um profissional habilitado, normalmente pela medição da perda de pressão na vazão de projeto e inspeção visual (furos, encaixes mal feitos).
    A Portaria do Ministério da Saúde 3523 emitida em 1998 apresenta o PMOC plano de manutenção, operação e controle com as principais atividades a serem executadas
    A Recomendação RE 09 da ANVISA em 2003 que informa a periodicidade de troca dos filtros:
    Tomada de ar externo Limpeza mensal ou quando descartável até sua obliteração (máximo 3 meses)
    Unidades filtrantes Limpeza mensal ou quando descartável até sua obliteração (máximo 3 meses) Não há razão para reduzir o prazo
  • Limpeza e/ou sanitização das casas de máquinas, alguma sugestão?
  • Na minha opinião a limpeza/higiene dos ambientes é uma obrigação. O uso intenso de substâncias de esterilização envolve o risco de reduzir drasticamente o universo de vírus, bactérias e protozoários encontrados normalmente no meio ambiente, permitindo o crescimento das chamadas “super bactérias resistentes aos biogicidas” que se desenvolvem caso não haja uma certa competição/concentração das não patológicas.A Portaria 3523 de 28/08/1998 do Ministério da Saúde determina que:
    Art. 5º Todos os sistemas de climatização devem estar em condições adequadas de limpeza, manutenção, operação e controle, observadas as determinações, abaixo relacionadas, visando a prevenção de riscos à saúde dos ocupantes: utilizar, na limpeza dos componentes do sistema de climatização, produtos biodegradáveis devidamente registrados no Ministério da Saúde para esse fim.A ANVISA, órgão ligado ao Ministério da Saúde que regulamenta saneantes, publicou recentemente uma lista de  saneantes para o combate a COVID-19.
    http://portal.anvisa.gov.br/noticias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/saneantes-populacao-deve-usar-produtos-regularizados/219201
  • Aumentar a frequência de limpeza das serpentinas e difusores, seria eficaz? Teria um racional a ser seguido?
  • O melhor sistema de higienização deve ser elaborado por profissional habilitado e, provavelmente, é a limpeza das partes úmidas, bem como a manutenção , da bandeja de água condensada, a casa de máquinas deve ser livre de qualquer material que não seja o do ar condicionado, os filtros devem ser examinados e medido a sua perda de pressão (entupimento)
    O uso de lâmpadas ultra-violeta com efeito de redução do biofilme que pode se formar na serpentina e na bandeja, esta instalação exige um projeto específico, ver a apresentação da ASHRAE sobre filtragem e desinfecção.
  • Redirecionamento dos Flaps para impedir o fluxo de ar diretamente nas pessoas é uma ação eficaz?
  • O ar insuflado nos equipamentos de condicionamento do ar poderá estar entre 12 e 15 ºC o que é inaceitável para o conforto humano, com ou sem pandemia o ar insuflado não pode ser direcionado para as pessoas. O ar insuflado deve ser misturado com o ar ambiente para aumentar a sua temperatura para uma valor próximo da de conforto.
  • Recalcular e especificar TAE ( tomada de ar externa) com filtro como fazemos isso?
  • É recomendável verificar a capacidade da tomada de ar externo em termos eficiência de filtragem no mínimo G4, da vazão de ar e perda de pressão a passagem do ar.
  • Mudança dos filtros para modelo tipo Hepa existe alguma especificação?
  • Tudo depende do uso da sala com ar condicionado, para uso normal de conforto o mínimo é o filtro ou arranjo de eficiência média M5. Em função do ambiente ser protetor (boa qualidade do ar) para o doente ou o doente ser a pessoa contaminada (proteção dos médicos e enfermeiras) teremos diferentes graus de filtragem, bem como pressões positivas ou negativas em relação ao ambiente vizinho.
  • Desinfecção e limpeza com o uso de irradiação UV, teriam modelo para sugerir?
  • O uso de lâmpadas ultra-violeta com efeito de redução do biofilme que pode se formar na serpentina e na bandeja, esta instalação exige um projeto específico, pois esta lampada pode cegar as pessoas, a luz da lâmpada não pode ser vista pelas
  • pessoas

30 – Existe atualmente algum equipamento/sistema com eficiência comprovada para combater o COVID-19 em ambientes condicionados? Sabemos que a forma mais adequada é a elevação das taxas de ar externo porém muitas empresas falam em Sistemas com raio UVC, Oxyion, etc.

A recomendação mais segura é a de diluir a concentração da contaminação biológica, pelo aumento da renovação de ar, desde que a qualidade do ar externo seja aceitável. A resposta será dividida em duas: equipamentos de purificação de ar e o incremento da vazão de ar externo.

1 – Equipamentos de purificação do ar.

Apresento a seguir as respostas a sua perguntas. Agradeço a ajuda do Leonardo na resposta do processo de reduzir a concentração de micróbios (virus, bactérias e protozoários) por processos químicos ou físicos.

Sobre os equipamentos de purificação do ar mencionados, eles tem propriedades de melhorar a qualidade do ar interno, cada uma com suas características:

Alguns comentários rápidos:

– Ozônio: excelente biocida, usado em larga escala em água, alimentos e ar. Muito usado para remoção de odores. Única restrição e só deve ser utilizado em ambientes SEM pessoas, ou seja, desocupados.

– Fotocatalise: excelente biocida, ação comprovada contra microrganismos e alguns gases. Atenção a equipamentos que geram ozônio como subproduto. Procurar equipamentos certificados.

– UV – bom biocida, deve ser utilizado diretamente nas superfícies a serem tratadas. Usado muito em serpentinas. Não deve ser utilizado em locais com pessoas. A aplicação nos dutos como tratamento de ar não é recomendada devido a velocidade do ar.

– Ionização: mais eficiente para partículas. Precisam de grande quantidade de equipamentos para fazer efeitos em locais maiores.

Fontes de consulta:

https://www.epa.gov/sites/production/files/2018-07/documents/guide_to_air_cleaners_in_the_home_2nd_edition.pdf

https://www.epa.gov/indoor-air-quality-iaq/ozone-generators-are-sold-air-cleaners

https://www.ahamdir.com/462-2/

https://www.cdc.gov/niosh/docs/2003-136/pdfs/2003-136.pdf?id=10.26616/NIOSHPUB2003136

2 – Diluição com ar externo

A posição das principais associações de Ar Condicionado como ASHRAE, REHVA e ABRAVA foi a de diluir a contaminação do ar interno, seja de instalações industriais, comerciais ou residenciais, pelo aumento da quantidade de ar externo, diluição.

A movimentação de bactérias, virus e protozoários, enfim partículas menores que 2,5 micro metro podem ser transportadas pela movimentação do ar, seja natural (janela aberta) seja mecânica (ventiladores), este é o conceito.

O ar condicionado possui um sistema de distribuição de ar, por ventilação mecânica, podendo transportar os micróbios do ambiente para a exaustão (remoção do ambiente), bem como o ar de retorno contaminado poderá ser misturado ao ar externo e insuflado no ambiente, com quantidade menor de contaminação devido ao ar externo.

O projeto do ar condicionado com ar de renovação, a concentração da contaminação (vírus) será reduzida e mantida num nível de menor risco de contrair a doença. O sistema  com ar externo irá proteger as pessoas, apesar de recircular a contaminação mais diluída.

A recomendação de todas as associações de ar condicionado e de refrigeração é a de manter o ar condicionado funcionando e aumentar dentro do possível a renovação de ar, chegando a manter o ar condicionado funcionando, mas com as” janelas abertas” ou através de aberturas com registros para aumentar a vazão de ar de renovação.

Sem dúvida a limpeza/higiene do ambiente interno e o sistema de condicionamento de ar irá reduzir a contaminação. O uso intenso de substâncias de esterilização envolve o risco de reduzir drasticamente o universo de vírus, bactérias e protozoários, permitindo o crescimento das chamadas “super bactérias, patológicas” que se desenvolvem caso não haja uma certa competição/concentração das não patológicas.

Conclusão: a frequência da limpeza/higiene deve ser verificada com qual periodicidade por um profissional habilitado em qualidade do ar para fazer as análises necessárias. É vital a higienização do ambiente interno bem como do equipamento de condicionamento de ar por onde circula o ar a ser insuflado e a drenagem da água de condensação.

Recomendamos consultar a Renabrava 09 da ABRAVA

 

31 – Na Pandemia posso usar o ar-condicionado? è  preciso ter um profissiona habilitado no local para cumprimento do PMOC quando se tem mais de 60.000 BTU’s ou 5Tr  ou a pessoa pode ficar à disposição por perto a telefone móvel caso apresente algum risco ou falha?

O que é obrigatório é a renovação de ar, se o sistema de ar condicionado tiver a renovação de ar conforme a norma 16401 parte 3 ou conforme a Recomendação da ANVISA RE-09 de 2003. Confirmado que o sistema de ar condicionado tem renovação de ar ele poderá ser usado.

A equipe responsável pelo plano de manutenção, operação e de controle, não precisa ficar presente a instalação de ar condicionado. Mesmo instalação de grande porte podem operar e ter a supervisão remota.
É importante a contratação do profissional habilitado e este por sua vez irá definir o que é importante para a instalação quanto ao PMOC Plano de manutenção, operação e controle.

 

32 – Existem normas de limpeza de ar-condicionado?

1 – Normas ABNT

1.1 – ABNT NBR 7256:2005 – Tratamento de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde (EAS) – Requisitos para projeto e execução das instalações – Esta Norma estabelece os requisitos mínimos para projeto e execução de instalações de tratamento de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde (EAS)

1.2 – ABNT NBR 13971:2014 – Sistemas de refrigeração, condicionamento de ar, ventilação e aquecimento — Manutenção programada – Esta Norma estabelece orientações básicas para as atividades e serviços necessários na manutenção de conjuntos e componentes, em sistemas e equipamentosde refrigeração, condicionamento de ar, ventilação e aquecimento.

1.3 – ABNT NBR 14679:2012 Sistemas de condicionamento de ar e ventilação — Execução de serviços de higienização – Esta Norma estabelece os procedimentos e diretrizes mínimas para execução dos serviços de higienização corretiva de sistemas de tratamento e distribuição de ar caracterizados como contaminados por agentes microbiológicos, físicos ou químicos.

1.4 – ABNT NBR 15848:2010 – Sistemas de ar condicionado e ventilação – Procedimentos e requisitos relativos às atividades de construção, reformas, operação e manutenção das instalações que afetam a qualidade do ar interior (QAI)  – Esta Norma estipula procedimentos e requisitos relativos às atividades de operação e manutenção, para melhoria dos padrões higiênicos das instalações de ar-condicionado e ventilação, contribuindo desta forma para a qualidade do ar (QAI).

1.5 – ABNT NBR 16401-3:2008 – Instalações de ar-condicionado – Sistemas centrais e unitários
Parte 3: Qualidade do ar interior – Esta parte da ABNT NBR 16401 especifica os parâmetros básicos e os requisitos mínimos para sistemas de ar-condicionado, visando à obtenção de qualidade aceitável de ar interior para conforto.

2 – Documentos legais.

2.1 – Portaria do Ministério da Saúde nº 3523 de 28 de agosto de 1998 – Regulamento Técnico contendo medidas básicas referentes aos procedimentos de verificação visual do estado de limpeza, remoção de sujidades por métodos físicos e manutenção do estado de integridade e eficiência de todos os componentes dos sistemas de climatização, para garantir a Qualidade do Ar de Interiores e prevenção de riscos à saúde dos ocupantes de ambientes climatizados.

2.2 – RDC 50 da ANVISA de 21 de fevereiro de 2002 – Regulamento Técnico destinado ao planejamento, programação, elaboração, avaliação e aprovação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde, a ser observado em todo território nacional, na área pública e privada.

2.3 – Resolução da ANVISA nº9 de 16 de janeiro de 2003 – Padrões Referenciais de Qualidade do Ar Interior em Ambientes Climatizados Artificialmente de Uso Público e Coletivo.

atualizado em 10 de outubro