MERCOFRIO 2016: Avanços nos sistemas de refrigeração para supermercados

Notícias

293892_638953_solenidade_de_abertura__8_-1

 

Avanços nos sistemas de refrigeração para supermercados marcam o primeiro dia do Mercofrio 2016

Evento promovido pela ASBRAV teve como foco principal das discussões, na terça-feira (13/09), a eficiência energética que viabilize redução de custos para as empresas do setor

A 10 a edição do Congresso Internacional de Ar Condicionado, Refrigeração, Aquecimento e Ventilação – Mercofrio, promovido pela ASBRAV – Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação começou na terça-feira (13/09), na Fiergs, em Porto Alegre, com uma grande e atraente novidade.

Trata-se do Seminário de Refrigeração para Supermercados, iniciativa que contou com o apoio da Associação Gaúcha de Supermercados (AGAS) e reuniu renomados especialistas da área para promover e disseminar o conhecimento, por meio de palestras com foco em inovação, eficiência energética, boas práticas e fluidos refrigerantes.

– Nós pensamos em ofertar um evento diferenciado ao setor supermercadista, como temas de interesse atual e de importância para o ciclo de vida dos sistemas de refrigeração, bem como toda a cadeia produtiva do setor, incluindo usuários, fabricantes, instaladores e mantenedores – destacou a presidente da ASBRAV, Hani Lori Kleber, em sua fala durante a solenidade de abertura do seminário.

Igualmente fizeram uso da palavra no início do evento o presidente do Sindicato das Indústrias de Refrigeração, Aquecimento e Tratamento de Ar no Estado de São Paulo – Sindratar SP, Carlos Trobimbine; o diretor da AGAS, Ademir Gasparetto; o vice-presidente de Eficiência Energética da ABRAVA, Tomaz Cleto; e o coordenador do seminário e diretor da ASBRAV, Marcelo Marx. Todos ressaltando a importância de se promover um evento com tamanha representatividade e alcance para os profissionais que atuam no setor supermercadista.

Eficiência Energética

As primeiras palestras do encontro tiveram como tema central a questão da eficiência energética, mostrando formas de reduzir os gastos dos supermercados com energia elétrica, que, de acordo com Marcelo Marx, representa o segundo item de custo fixo dos estabelecimentos, atrás apenas da folha de pagamento. Na conta de energia elétrica, refrigeração e climatização respondem por 50% da despesa total.

O primeiro palestrante do dia, Sidney Mourão, gerente Técnico do Grupo Emerson, falou sobre “Soluções para Eficiência Energética em Supermercados”, salientando que os pilares deste procedimento são o baixo QWP, os controles e monitoramentos eletrônicos, a modulação digital de compressores e as soluções integradas.

Para Mourão, é preciso olhar o sistema frigorífico como um todo e entender o tipo de operação que ele possui em cada estabelecimento, evitando desperdícios. Para o profissional, é necessário trabalhar de forma inteligente o uso dos compressores que controlam a condensação e evaporação, evitando o desgaste e quebra do equipamento.

O Grupo Emerson disponibiliza o compressor Scroll, cuja produção iniciou em 1987 e já tem mais de 100 milhões de unidades fabricadas. É um modelo hermético e que se adapta muito bem às necessidades dos supermercados.

Na segunda palestra do seminário, o gerente de Suporte Técnico da Danfoss Brasil, Eduardo Drigo, tratou do tema “Eficiência Energética em Supermercado”, lembrando que o aumento do custo de energia elétrica foi muito elevado ao longo dos últimos dois anos, sendo que os refrigeradores de alimentos comerciais são grandes responsáveis pelo encarecimento desta despesa.

Drigo enfatizou que os supermercadistas estão buscando opções que lhes permitam diminuir o custo com esse tipo de equipamento e o mercado de refrigeração está atento a esta grande demanda por tecnologias mais sustentáveis e menos onerosas.

Na visão de Eduardo Drigo, o grande desafio dos supermercadistas é com a manutenção bem feita dos sistemas refrigerados, a fim de evitar o forte impacto no aumento do consumo de energia.

– É importante investir, sempre, nas melhores técnicas e boas práticas de manutenção e operação, que, certamente, trazem resultados benéficos para o empreendimento e para o ambiente, de maneira geral – falou o gerente da Danfoss Brasil.

Outro palestrante do seminário foi Bruno Costa, diretor da Ziehl-Abegg do Brasil, que falou sobre “Eficiência Energética em Movimentação de Ar (Ventiladores e Controles)”. Segundo Costa, nos últimos anos se registram significativos avanços na área de ventilação industrial e comercial, com a redução do uso de ventiladores com acionamento de polia e correia, substituídos por equipamentos com acionamento direto, destacando-se os que funcionam por acionamento direto e os com uso de controles de velocidades.

– Os ventiladores com acionamento direto permitem um grau de balanceamento mais refinado, a redução de vibrações para todo o sistema e uma significativa redução nos processos de manutenção. Acrescento, ainda, que os ventiladores EC disponibilizam conforto e redução do consumo de energia, tendo em vista sua elevada eficiência – apontou o palestrante.

A questão ambiental

O primeiro período do turno da tarde do Seminário de Refrigeração para Supermercados trouxe como assunto principal a questão ambiental, focando temas como redução de vazamentos de HCFC-22, soluções atuais para retrofit e instalações de CO2 para empreendimentos supermercadistas.

A consultora da agência alemã GIZ / PROKLIMA – Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit – GmbH, Stefanie von Heinemann, falou das ações no setor de serviços de refrigeração comercial em supermercados para a redução dos vazamentos de HCFC-22. Entre as propostas apresentadas, está a continuidade dos treinamentos de técnicos em refrigeração comercial e ar condicionado em todo o país; a maior conscientização das empresas do setor sobre a importância de reduzir o uso dos HCFCs; e a divulgação e treinamento sobre novas tecnologias alternativas, com menor impacto ao meio ambiente (zero PDO e baixo GWP).

Segundo Stefanie, o HCFC-22 está com os dias contados, uma vez que em 2020, o Brasil, cumprindo o Protocolo de Montreal, reduzirá em 35% a importação deste fluído, que vem caindo de uso, especialmente em novas lojas, com a implementação do Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs (PBH). Em 2040, a eliminação dos HCFCs será total.

– Hoje os novos empreendimentos varejistas, especialmente os supermercados, já procuram usar outros fluidos refrigerantes, como o CO2 e os hidrocarbonetos, além dos chamados blends (misturas). Mesmo as lojas que continuam a utilizar sistemas refrigerados com HCFC-22, que ainda são maioria, estão atentas à sustentabilidade de suas operações no varejo. Hoje, elas investem na capacitação dos técnicos de manutenção e em processos que evitem vazamentos deste gás na atmosfera, o que ainda reduz custos – afirmou a palestrante do GIZ / PROKLIMA.

Após a fala de Stefanie Von Heinemann, foi a vez do professor Paulo Napoli, representante da empresa francesa Arkema, abordar a questão referente as soluções atuais para retrofit. Napoli destacou a importância de se substituir o fluido R-22, um elemento muito utilizado para refrigeração de temperatura baixa e média e sistemas de ar condicionado pelo Forane R-427. O fluido produzido pela Arkema mistura gases refrigerantes HFC não azeotrópica, com grau zero de destruição da camada de ozônio, sendo um retrofit recomendado para os sistemas R-22 utilizados em AC, LT e MT.

– O Forane R427A é um dos fluidos refrigerantes com GWP mais baixos dentre os principais retrofits R-22 atuais. Também oferece a similaridade mais próxima ao R-22 em termos de desempenho, bem como em relação as taxas de vazão de massa e as pressões de operação tanto em ar condicionado quanto em refrigeração. Mas o seu maior benefício, efetivamente, é não danificar a camada de ozônio, algo que é imprescindível para a preservação do meio ambiente – disse Paulo Napoli.

Ainda navegando pelo tema da preservação ambiental, coube ao diretor da SPM Engenharia, Carlos Guilherme Süffert, falar sobre “Instalações de CO2 para Supermercados – Uma Outra Forma de Analisar”, onde destacou que o dióxido de carbono, por ser um refrigerante natural, se apresenta como alternativa valiosa aos refrigerantes sintéticos em várias aplicações de sistemas de refrigeração.

De acordo com Carlos Guilherme, foram desenvolvidas novas tecnologias e aplicações nos vários setores do mercado de refrigeração para tornar viável o uso do CO2, que graças as suas características satisfatórias em matéria de preservação ambiental tem sido visto como um excelente fluido refrigerante para aplicação em sistema cascata para média e baixa temperatura de evaporação nas instalações frigoríficas de supermercados.

– Em comparação com outros sistemas convencionais, a grande capacidade volumétrica de refrigeração do CO2 permite uma boa redução do custo de compressores, da tubulação e da carga refrigerante do sistema frigorífico – afirmou Süffert.

Crise gera busca pela economia

O diretor da Delta Frio, de São Sebastião do Caí, Marcelo Marx, e o coordenador de produção da empresa, Leonardo Kich, falaram sobre “A Realidade por dentro da Câmara Fria”, pontuando que o momento de crise econômica pelo qual o país está passando, leva os empreendimentos a buscarem soluções inteligentes para reduzir custos.

Desta forma, a Delta Frio busca desenvolver produtos que garantam melhor eficiência com custo competitivo, ganhando mais espaço dentro do mercado de refrigeração.

Segundo Marx e Kich, o investimento da empresa em inovação a leva a ampliar seus horizontes, culminando com o recente lançamento do Eco Turbo, um evaporador para câmaras frigoríficas, com design inovador e confeccionado com materiais de grande leveza, sendo capaz de suportar melhor tanto as altas quanto as baixas temperaturas, o que o torna ideal para a refrigeração de alimentos.

Felipe Assumpção, da Full Gauge Controls, falou sobre “Automação em Supermercados: Investimento que gera Economia”, lembrando que uma das áreas que mais experimentou avanços tecnológicos nos últimos tempos foi a de controles digitais.

Os controladores digitais têm a função de gerenciar e controlar o ciclo de refrigeração, tanto para processo como para conforto, com o objetivo de manter uma temperatura estável, com o máximo de eficiência do sistema.

Para ele, os equipamentos de automação são preponderantes ao bom funcionamento dos outros sistemas e proporcionam o controle e o monitoramento necessário para os demais sistemas integrados a ele. Uma das vantagens e que se torna decisiva para aplicação de automação nos atuais empreendimentos pode ser traduzida na palavra economia. A automação racionaliza o consumo de insumos (energia, água, gás, etc.) e mão de obra (operação e manutenção).

Em meio a um cenário econômico difícil, buscar alternativas para reduzir custos dentro de uma loja é uma necessidade dos supermercadistas. Por isso, o engenheiro da Eletrofrio, Rogério Marson Rodrigues, último palestrante do Seminário de Refrigeração para Supermercados, falou sobre as transformações que ocorrem no mercado de refrigeração comercial.

Para ele, uma das opções seria colocar portas nos balcões refrigerados, o que proporciona uma redução de 70% no consumo de energia elétrica. Segundo Rogério, em 2013 não havia interesse do setor pelos balcões refrigerados fechados, mas hoje, devido ao aumento na conta de luz, eles são os mais procurados. Além disso, projetos com maior eficiência energética devem ser observador sempre que se for pensar em novas lojas.

De acordo com Rogério, atitudes simples como manutenção preventiva dos equipamentos podem fazer grande diferença na conta de luz do final do mês.

Conhecimento técnico

O primeiro dia de realização do Mercofrio 2016 teve, também, a realização das “Sessões Técnicas, com apresentação, por acadêmicos, de projetos e artigos científicos sobre os mais variados temas refrigeristas, com a coordenação do diretor de Ensino e Treinamento da ASBRAV, Paulo Otto Beyer.

– Recebemos trabalhos de muito bom nível nesta edição do Mercofrio. Temos sempre a preocupação de receber os projetos e artigos oriundos dos acadêmicos, pois eles representam o futuro do segmento e o surgimento de ideias que garantam desenvolvimento com sustentabilidade – lembra Paulo Otto Beyer.

Quem esteve presente ao Congresso, novamente, foi o professor da Universidade de Brasília, João Pimenta, responsável pelo minicurso “Sistemas de Resfriamento Evaporativo”, onde busca divulgar conhecimentos sobre o tema que permitam aos profissionais oferecer produtos e soluções que representem avanços importantes na área.

Já o minicurso do professor Ademilson Xavier tratou do tema “Ar Condicionado Central – Expansão Direta”, desenvolvido para que os participantes possam entender como funciona este sistema e aplicar os conhecimentos obtidos em suas rotinas de instalação e manutenção.

– Ao chegar nesta edição podemos avaliar o quanto o Mercofrio se consolidou como o maior e mais importante evento do segmento de HVAC-R do sul do país. Além da troca de conhecimento podemos acompanhar o que está sendo produzido, as técnicas e quais os avanços dos equipamentos – destaca a presidente da ASBRAV, Hani Lori Kleber.

Com um público formado por professores, arquitetos, projetistas, consultores técnicos e acadêmicos, o Mercofrio traz quatro temas de acordo com o ASHRAE Handbooks: Fundamentos; Sistemas e Equipamentos de Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação; Aplicações de Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação; e, Refrigeração. Ainda para Hani, três assuntos são recorrentes nas edições do Mercofrio, como a qualidade do ar interior; o consumo energético; e, fluídos refrigerantes.

Fonte: ASBRAV